Postado por
Notícias

A pandemia desencadeou a aceleração tecnológica. Conforme uma pesquisa da Gartner, mudanças importantes nos modelos de negócios dispararam a automação nos centros

de distribuição e atendimento no último ano. O grande desafio é que os profissionais aprendam a interpretar a enorme quantidade de dados e análises geradas pelos sistemas e consigam tomar melhores decisões em suas funções.

Lembrando que os esforços do setor acompanharão algumas das mais urgentes demandas globais. A pesquisa aponta ainda que as empresas estão cada vez mais comprometidas com aspectos sustentáveis para reduzir os impactos ambientais para o cliente. A otimização da rede logística para retirar veículos das ruas e reduzir a emissão de carbono, a reutilização do calor dos processos de manufatura upstream para fornecer energia aos elos downstream e soluções criativas para aumentar a densidade do transporte são alguns exemplos.

A DISRUPÇÃO EM SUPPLY CHAIN E FLUXOS DE PRODUTOS

Os efeitos da economia “start/stop”, oriunda da pandemia, foram profundos e levarão tempo para se dissiparem. Existem engarrafamentos estruturais em pontos-chaves da cadeia em vários países, sobretudo nos EUA, que persistirão pelos próximos meses. Isso terá um efeito inflacionário, obrigando os gestores a rever a forma como movimentam produtos e a refletir sobre a metodologia usada para administrar os seus negócios. Com o tempo, os ajustes serão completos e a normalidade voltará. Mas vai demorar.

CUSTOS ELEVADOS

Os principais insumos na cadeia logística vêm subindo e isso continuará. Em alguns países, não existe mão-de-obra para transporte rodoviário e nos portos. No Brasil, estamos com o diesel mais caro, inflação na mão-de-obra e custo de capital elevado. Tudo isso representa uma tendência inflacionária e exigirá maior foco em eficiência operacional em todos os níveis do Supply Chain.

INVESTIMENTOS ELEVADOS EM TECNOLOGIA

A pressão dos custos, a necessidade de aumentar a visibilidade numa cadeia mais estressada e a escassez de pessoas qualificadas no setor levarão ao aumento dos investimentos em tecnologia.  O objetivo será o de ampliar a eficiência dos processos, a automação e a rastreabilidade das cargas, além de gerar maior transparência e segurança. Também serão acelerados os investimentos em tecnologias mais avançadas, como caminhões autônomos e uso do Blockchain na logística. Nesse cenário, plataformas independentes que criarem soluções para o setor focadas nessas tecnologias continuarão se beneficiando.

CONSOLIDAÇÃO

As mesmas pressões incentivarão a consolidação de várias camadas do ecossistema da logística. A exemplo do digital freight brokerage que, em português, significa um corretor de frete digital, e outras plataformas, em 2021, vimos casos de M&A’s nos quais o foco era ganhar escala com ofertas de tecnologia e propostas complementares, como a compra da Transplace pela Uber Freight. Em 2022, plataformas e outros players do setor tendem a continuar sua consolidação em mercados ainda pulverizados.

PLATAFORMAS TERÃO QUE IR “ALÉM DO MATCH”

Em paralelo, plataformas existentes terão de expandir portfólios de soluções e inovar para poder atender às demandas cada vez mais exigentes dos seus parceiros — soluções completas que tragam eficiência, transparência e insights ponto a ponto. Já começamos a ver isso em 2021, com plataformas adquirindo empresas com tecnologias que ampliam o portfólio de soluções que elas poderiam oferecer a embarcadores. A Loadsmart, por exemplo, investiu em empresas de agendamento e gestão de pátio. Por outro lado, plataformas com soluções mais rasas, focadas em apenas um pedaço da jornada — publicar cargas ou fazer o match entre carga e caminhoneiros — tendem a perder espaço.

CONVERGÊNCIA ENTRE MODELOS

Também esperamos ver a convergência contínua entre os modelos operacionais. Estimamos que plataformas tecnológicas nascidas como fornecedoras de tecnologia comecem a operar fretes que agreguem mais valor aos clientes. Vimos isso acontecer com a Convoy e continuaremos vendo plataformas com DNA de tecnologia e operações se abrindo para que outros operadores do setor usem a tecnologia para ganhar escala. Em segmentos como o digital freight brokerage, modelos de oferta de tecnologia não conseguem resolver as dores dos clientes. Portanto, esperamos a convergência contínua entre modelos. As plataformas terão que entregar cada vez mais experiências com tecnologia robusta que garanta desempenho operacional.

REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO NO SETOR DE LOGÍSTICA RODOVIÁRIA NO BRASIL

A entrada do DTE (Documento Eletrônico de Transporte) e o aumento da fiscalização sobre o uso de carta frete, não pagamento de vale pedágio, recolhimento de INSS de caminhoneiro e outros, terão impactos positivos para os caminhoneiros. Porém, exigirão grandes ajustes por parte das transportadoras que operam fora da lei agora. Para elas, os custos e a demanda de capital de giro vão aumentar. Isso fará com que precisem buscar eficiência através de um maior uso de tecnologia para compensar.  Por outro lado, o DTE e as propostas do governo de abrir informações para a cadeia permitirão inovações importantes com relação à oferta de serviços financeiros e outros para o caminhoneiro.

2022 deverá ser outro ano de volatilidade no setor, com um ambiente operacional extremamente complexo no mundo inteiro e aqui no Brasil também. Acreditamos que esses desafios serão superados ao longo do tempo com o uso de tecnologias que atacam as principais dores dos clientes e que plataformas atuantes no setor deverão ser cada vez mais inovadoras para agregar valor às operações dos seus parceiros.

Fonte: https://revistamundologistica.com.br/
*Charlie Conner é CEO da Tmov, logtech líder no setor de transporte rodoviário de cargas e principal marketplace de oferta e demanda de cargas para o agronegócio no Brasil.

 

 

—————

Ligue agora mesmo para nossos consultores e peça uma apresentação sem compromisso. +55 41.3069.9800

 

 

A MAXTON Logística agrega o conhecimento de profissionais com mais de 30 anos de experiência no mercado adquiridos em grandes organizações. Com um corpo gerencial e equipe experiente e atuante, a MAXTON Logística pode assegurar o completo domínio sobre todos os pontos da cadeia logística com os aspectos e conceito geral do Supply Chain Managment, garantindo assistência integral a seus clientes.

Hoje a informação deve chegar muito antes que a mercadoria, entendendo este conceito a MAXTON Logística investe fortemente em ferramentas TMS e WMS, possibilitando consultas On-line de embarques e mercadorias armazenadas.

Para quem não pode parar a MAXTON Logística é o sistema de gestão ideal e com diferenciais na “SOLUÇÃO PARA A SUA OPERAÇÃO”, com foco na qualidade, desempenho e otimização dos recursos sempre buscando a eficiência e eficácia.

Conheça Nossa Estrutura

Tags:
armazenagem, armazenagem em curitiba, armazenagem logistica, armazenagem de cargas, distribuição de cargas, distribuição de produtos, picking, logistica, logistica em curitiba, transporte internacional de cargas, importação de cargas, exportação de cargas, carga internacional, encomenda internacional, frete internacional, porto de santos, porto de itajaí, porto de são francisco, montagem de kits, embalagens especiais, desembaraço de cargas, despachante aduaneiro, maxton , maxton logistica, internet das coisas, porta pallete

#armazenagem #armazenagememcuritiba #armazenagemlogistica #armazenagemdecargas #distribuiçaodecargas #distribuiçaodeprodutos #picking #logistica #logisticaemcuritiba #transporteinternacionaldecargas #importaçaodecargas #exportaçaodecargas #cargainternacional #encomendainternacional #freteinternacional #estufagem