Postado por
Notícias

A varejista chinesa Alibaba, desde 2016 investe pesado no conceito de “New Retail”, termo cunhado pelo seu fundador Jack Ma para definir um ecossistema que combina os canais on-line e offline; no supermercado futurista do grupo, Hema Xiansheng, inaugurado em 2015, o pagamento é automático e processado por reconhecimento facial (tecnologia de inteligência artificial/IA).

Seu competidor americano, a Amazon, em 2018 inaugurou a mercearia Amazon Go, em Seattle, onde o cliente transita pela loja, põe os produtos em sua sacola e vai embora; um aplicativo baixado previamente no celular registra as compras e os pagamentos sem qualquer interferência humana. O foco de ambos é a conveniência do consumidor (sem caixas, sem filas, mais facilidade e mais agilidade).

As tecnologias digitais estão invadindo o varejo mundo afora, extrapolando as funções de meios de pagamento. A North Face – principal fornecedora mundial de vestuário, equipamento e calçados -, oferece um sistema de compras online interativo: o cliente, por meio do processamento de linguagem natural (IA), enquanto faz compras recebe recomendações personalizadas em conversa com o “vendedor”.

Desenvolvido em parceria com a provedora de serviços Fluid e o Watson IBM, as conversas geram dados que são transformados em insights para melhorar a experiência de consumo (IA). O intuito é replicar nas plataformas eletrônicas a função do balconista de loja.

No Brasil, essas tecnologias estão sendo incorporadas no e-commerce e nas lojas físicas. Os mais visíveis são os totens de autoatendimento; o grupo GPA, por exemplo, já instalou 180 “Self Checkouts” em 23 lojas das bandeiras Pão de Açúcar e Extra (20% do faturamento total dessas lojas). O Magazine Luiza, outro exemplo, inspirado nas lojas da Apple, transformou seus vendedores em caixa, sistema implantado em 100% das lojas Magalu. Segundo especialistas, essas facilidades tendem a reduzir em 30% o tempo gasto nas lojas. A automação do varejo, aparentemente, é uma tendência inexorável porque facilita a vida do consumidor, que festeja as novidades!

Como nas demais implementações (saúde, educação, redes sociais, pesquisa, produção), as tecnologias inteligentes aportam inestimáveis benefícios e grandes desafios. No caso do varejo, o efeito negativo imediato é a eliminação de funções até então exercidas por trabalhadores humanos. Dos 16 milhões de postos de trabalho criados no Brasil entre 2003-2016, cerca de 9,2 milhões (70%) estão em risco segundo estudo do Laboratório do Futuro da Coppe – UFRJ; independente dos números estimados, que variam conforme a metodologia da pesquisa, o consenso é de que as funções de baixa qualificação são as primeiras a serem substituídas pela automação inteligente (em geral, não por coincidência, são as mais numerosas e, o que tem impacto direto nos jovens, associadas ao “primeiro emprego”).

As máquinas dominarão

Relatório do Fórum Econômico Mundial sobre o futuro do trabalho (setembro/2018) estima que até 2022, a mudança na divisão do trabalho entre humanos e máquinas/algoritmos afetará 75 milhões de cargos. Atualmente, em média 71% do total de horas de tarefas nos setores cobertos pelo estudo do relatório é realizada por humanos, em comparação com 29% por máquinas/algoritmos; em 2022, essa média deve mudar para 58% de horas de tarefas executadas por seres humanos e 42% por máquinas/algoritmos.

As ameaças, contudo, não estão restritas ao potencial desemprego e ao aumento da desigualdade (as tão propagadas novas funções demandam certo nível de especialização/formação que a maior parte dos trabalhadores não possui, aumentando a competição pelas funções menos qualificadas, o que implica em redução salarial/renda).

reconhecimento facialDados

A automação do varejo gera dados que são utilizados para estruturar os modelos de previsão (treinar e aperfeiçoar os algoritmos de IA); os dados contém informações valiosas sobre o comportamento do consumidor, essencial em todas as etapas da cadeia de produção (desenvolvimento de produtos/serviços, marketing/vendas, comunicação/propaganda).

A base do funcionamento da economia do século XXI está nos dados (e não nos modelos/algoritmos de IA), responsáveis pelo atual poder e concentração de mercado das Big Techs (as gigantes de tecnologia) e, gradativamente, extensivo à todas as organizações, públicas e privadas, com capacidade de gerar, armazenar e minerar grandes quantidades de dados para extrair informações valiosas sobre quase tudo. Do uso dos dados derivam questões como proteção à privacidade dos usuários, sofisticação dos mecanismos de persuasão (comunicação hiper segmentada e assertiva), controle excessivo por corporações e governos.

A complexidade corrente não recomenda análises e soluções simplistas baseadas em poucas variáveis e/ou em raciocínio dualista (bem e mal). Os modelos de inteligência artificial, que estão permeando as atividades socioeconômicas, aportam benefícios extraordinários e, simultaneamente, sérias ameaças. O desafio posto à sociedade é como conciliar ambos os efeitos!

Fonte: Por Dora Kaufman, pós-Doutora COPPE-UFRJ (2017) e TIDD PUC-SP (2019), Doutora ECA-USP com período na Université Paris – Sorbonne IV.

Transforme sua área de estoque em mais um espaço de vendas. Não ocupe seus funcionários e esforços com recebimento e controle de estoque. Deixe que nós, da Maxton Logística, façamos isso.

Ligue agora mesmo para nossos consultores e peça uma apresentação sem compromisso. +55 41.3069.9800

Tags:
rmazenagem, armazenagem em curitiba, armazenagem logistica, armazenagem de cargas, distribuição de cargas, distribuição de produtos, picking, logistica, logistica em curitiba, transporte internacional de cargas, importação de cargas, exportação de cargas, carga internacional, encomenda internacional, frete internacional, porto de santos, porto de itajaí, porto de são francisco, montagem de kits, embalagens especiais, desembaraço de cargas, despachante aduaneiro, maxton , maxton logistica, internet das coisas, porta pallete

#armazenagem #armazenagememcuritiba #armazenagemlogistica #armazenagemdecargas #distribuiçãodecargas #distribuiçãodeprodutos #picking #logistica #logisticaemcuritiba #transporteinternacionaldecargas #importaçãodecargas #exportaçãodecargar #cargainternacional #encomendainternacional #freteinternacional #estufagem